Apitoxina

Apitoxina é o veneno segregado pelas fêmeas da maioria das espécies de abelhas que utiliza o que seria seu primitivo ovipositor – ou ferrão - como meio de defesa contra predadores e outras abelhas intrusas. O ovipositor das operárias tem evoluído até se transformar em um potente e eficiente ferrão serrilhado. Não só as operárias possuem veneno, as rainhas também, contudo, por serem estas de importância vital para a vida e a reprodução na colméia, somente o veneno das obreiras é utilizado na apiterapia.

Com o ferrão, a abelha pica e injeta o veneno no "inimigo", pois, como já dito, é uma forma que ela tem de se defender. Aliás, a abelha só pica se for diretamente atacada, visto que sua picada lhe custa a própria vida. Isso ocorre porque além do ferrão, que fica preso na vítima, ela também perde parte do seu intestino, provocando-lhe a morte em poucas horas.

Muito embora exista uma tendência atual em se obter a apitoxina por meio de sua extração com o fim de liofilizá-la e transformá-la em soluções injetáveis, a forma mais natural, portanto mais eficaz de obtê-la (sobretudo por ser menos agressiva para as abelhas) é a utilização direta da abelha sobre a pele do paciente, com pinças apropriadas para isso, visando a sua picada e, conseqüentemente, a inoculação do seu veneno.

O uso da apitoxina na apiterapia (apitoxinoterapia) consiste na aplicação local de micro ou macro doses de veneno de abelhas vivas em pessoas para fins terapêuticos, devido às suas propriedades analgésica, anti-inflamatória e imunossupressora.

O poder curativo da apitoxima foi descoberto pelo médico austríaco Philip Terc no século XIX. Um dia, sentado num banco do seu jardim, o médico foi atacado por um enxame. Depois desse incidente, reparou que as fortes dores em suas articulações começaram a desaparecer e seus membros adquiriram uma nova mobilidade.

A partir desse epsódio começou a investigar a causa da sua cura e durante 10 anos fez muitas experiências. Ridicularizado pela comunidade médica, entre 1878 e 1889, apresentou na Universidade Imperial de Viena suas conclusões sobre inúmeros pacientes tratados com êxito, mas, deparou-se com um auditório intransigente, de tal modo que acabou por abandonar a cidade de Viena com medo de ser internado em algum manicômio.

Philip Terc deixou como testemunho muitas investigações e um livro publicado em 1910, que acabou sendo reconhecido e aceito por muitos médicos estrangeiros. Hoje em dia, todos estes conhecimentos estão cientificamente comprovados.

Características da apitoxina

O veneno das abelhas é um conjunto de substâncias biológicas muito ativas e frágeis quando expostos à luz e ao oxigênio, uma vez extraída da glândula é chamado de apitoxina e permanece ativo por um curto período de tempo, embora seja possível tratar quimicamente sua estabilização. O oxigênio e a temperatura ambiente a desidratam e a degradam em poucas horas. É um líquido transparente e de reação ácida. Contêm 88% de água, proteínas, peptídeos, aminas, aminoácidos e compostos orgânicos voláteis. Os princípios ativos terapêuticos são as proteínas e os peptídeos. A quantidade total de veneno que contém uma glândula está entre 0.2 e 0.3 mg, que corresponde de 100 a 200 microgramos de veneno puro. Em solução se infecta e se decompõe facilmente por bactérias. As enzimas digestivas (ptialina, pepsina, pancreatina e renina) e vegetais (papaína e papaiotina) a debilitam rapidamente e vice-versa. O veneno afeta rapidamente a efetividade das enzimas: destroem-se mutuamente. Tal como o veneno de serpente, não tem efeito quando tomado por via oral, devido ao seu conteúdo protéico (desde, é claro, que não haja nenhum tipo de úlcera ou ferida). Somente se conserva indefinidamente em glicerina.

Propriedades da apitoxina

Anti-inflamatória, porque estimula o eixo hipotálamo, a hipófise e as glândulas suprarrenais e induz a produção de corticóides endógenos.

Analgésica, porque libera endorfinas que são analgésicos endógenos.

Antidepressiva, porque estimula a produção de serotonina, dopamina e noradrenalina: neurotransmissores responsáveis por nossa sensação de bem-estar.

Imunomoduladora, porque estimula a formação de células multicelulares, monócitos, macrófagos e linfócitos A e T.

Hipotensora, porque dilata os vasos sanguíneos.

Antitumoral, porque, ainda que não seja o tratamento preferencial, possui um efeito destruidor das membranas celulares tumorais.

Fonte: INSTITUTO LATINOAMERICANO DE APITERAPIA e www.apitox.eu

Clique aqui para voltar

             • Lageado – São Paulo – SP - Contato: (11) 2961.8942 | 7614.5491

• Vila Formosa – São Paulo – SP - Contato: (11) 8169.5717
Abelha Saúde - © Todos os direitos Reservados
Site desenvolvido por